Primeiro os Segundos


O mundo fétido...
A forma mesquinha de convivência...
Todos usam e todos são usados, num jogo sádico e sem valores.
Na selva de pedra àqueles antigos valores se perdem, e a poeira nos cega a cada dia...
Seus habitantes nos revelam todos os dias que são tão podres quanto suas fossas... Suas atitudes exalam sua natureza egoísta, seu medo incontrolável, o prazer de suínos engravatados, presos por uma falsa realidade pré-programada.
Continuam calando-se e amputando-se a cada dia, deixando o encardido na alma, na essência da sua natureza.
A questão de sempre: até onde vale a pena ir para passar batido? Até onde vale a pena não arriscar pelo seu medo? Até quando valerá a pena tomar suas decisões baseado em preceitos de outros?
A felicidade está dentro de cada um, de forma individual, única e pura.

Um comentário:

Rosália Cipriano disse...

Seres não... Cachorros!! hahaha
Bom te ter aqui.


Bjo poeta